Tags

Alexandre Henrique Gruszynski

Jesus, mestre divino que chamastes os apóstolos para vos seguirem, continuai a passar pelos nossos caminhos, pelas nossas famílias, pelas nossas escolas. E continuai a repetir o convite a muitos de nossos jovens. Dai coragem às pessoas convidadas, dai forças para que vos sejam fiéis como apóstolos leigos, como sacerdotes, como religiosos e religiosas para o bem do povo de Deus e de toda a humanidade. Amém!

Essa é uma Oração pelas Vocações, fartamente rezada aqui no Brasil, com algumas versões levemente diferentes do ponto de vista gramatical, outras com inserções e/ou supressões. A autoria de texto é amplamente atribuída ao Papa Paulo VI.

Cedo duvidei de que tal texto fosse verdadeiramente do Beato Papa Paulo VI ou que, escrito por algum de seus Assessores, tivesse sido por ele aprovado e publicado como seu.

Primeiro porque, ao referir-se às pessoas convidadas, segue uma ordem que não é usual na linguagem eclesial de nível pontifício: apóstolos leigos, sacerdotes, religiosos.

Segundo porque o uso de, ao lado da palavra religiosos acrescenta religiosas. Aliás, por questão de coerência em tal erro, deveria dizer também apóstolas leigas. Pois  em português como em geral nos idiomas ocidentais, a palavra no masculino inclui os individuos do sexo feminino[1]. Assim ensinam os que entendem da gramática…

Terceiro porque, mencionando os religiosos, deixa de lado os membros de Institutos Seculares e das Sociedades de Vida Apostólica, modalidades não menos importantes de vida consagrada e de atividade apostólica.

Quarto porque parece limitar a possibilidade de  vocações, para esses diversos campos de atividade eclesial, aos jovens, sem qualquer referência a pessoas adultas ou de idade mais madura.

Quinto, porque omite totalmente o Diaconato, ordem distinta do Sacerdócio.

Assim, de alguns anos para cá tenho pesquisado, com o auxílio da Internet, a autoria do texto.  Encontrei, com o auxílio do Google, diversos sites em que tal oração aparece com a indicação, bastante difundida, de que seria de autoria do Papa Paulo. Por isso, sempre que o site contivesse o endereço eletrônico do seu patrocinador, enviei a este um E-mail solicitando que indicasse onde e quando teria sido publicado o texto atribuído ao Sumo Pontífice. Não recebi qualquer resposta, o que apenas fez aumentar a minha descrença quanto à autoria.

Passei a procurar então, em diversas línguas, algum escrito que começasse com Jesus Mestre Divino, associado a Vocações e a Papa, mas igualmente nada apareceu. Pesquisa no site do Vaticano igualmente nada encontrou com tais palavras em conjunto.

Recentemente, entretanto, como a procura através do termo castelhano Vocaciones associado a Papa indicasse Jornadas Mundiales por las Vocaciones, tratei de conduzir a pesquisa incluindo Paulo VI. E isso me levou a uma série de documentos editados pelo Papa Paulo, a partir de abril de 1964.

Penso ter encontrado, aí, a fonte da confusão semeada com a oração em tela.

É certo que foi o Papa Paulo VI quem instituiu uma Jornada Mundial de Oração pelas Vocações, a ser celebrada anualmente no Domingo do Bom Pastor. Vocações para Pastor, pois, e, portanto, para o Sacerdócio. O primeiro ano de celebração da Jornada foi 1964, e a 11 de abril de 1964 o Papa Paulo VI dirigiu aos fiéis de todo o mundo uma Radiomensagem, no final da qual consta, sim, o texto de uma Oração, mas que se refere às vocações para o Sacerdócio. Objetivo, aliás, da Jornada: a Jornada Mundial é referente às Vocações Sacerdotais, e não a Vocações para outros ministérios, encargos ou estados de vida.

É muito provável, pois, que a atribuição, ao Papa Paulo VI, do texto dessa tão difundida (no Brasil) Oração pelas Vocações tenha surgido daí: o Papa Paulo propôs que se rezasse pelas Vocações…  Sacerdotais. E alguém então compôs a Oração pelas Vocações transcrita no início, acrescentando, às vocações sacerdotais visadas pelo Papa, outras vocações eclesiais. Como o Papa pedira oração pelas vocações…, passou-se a atribuir ao Papa esse texto local, texto esse lamentavelmente apresenta problemas, como mencionei no início.

É relevante salientar que na referida Radiomensagem, perto do final, encontra-se um texto, em forma de oração, que tem alguma semelhança com o que vem sendo divulgado há tantos anos como sendo de Paulo VI. Mas que não invoca Jesus como Mestre divino (Maestro divino), mas como Divino Pastore delle anime…  Por isso as pesquisas na Internet por Maestro divino, ou Mestre divino, não podiam levar à oração atribuída ao Papa.

O site[2] do Vaticano apresenta o texto italiano da Radiomensagem e uma tradução para o idioma castelhano. A oração, quase ao final da mensagem, está escrita assim:

O Gesù, divino Pastore delle anime, che hai chiamato gli Apostoli per farne pescatori di uomini, attrai a te ancora anime ardenti e generose di giovani, per renderli tuoi seguaci e tuoi ministri; falli partecipi della tua sete di universale Redenzione, per la quale rinnovi sugli altari il tuo Sacrificio:Tu, o Signore, «sempre vivo a intercedere per noi» (Hebr. 7, 25), dischiudi loro gli orizzonti del mondo intero, ove il muto supplicare di tanti fratelli chiede luce di verità e calore di amore; affinché, rispondendo alla tua chiamata, prolunghino quaggiù la Tua missione, edifichino il Tuo Corpo mistico, che è la Chiesa, e siano «sale della terra», «luce del mondo» (Matth. 5, 13). Estendi, o Signore, la tua amorosa chiamata anche a molte anime di donne illibate e generose, e infondi loro l’ansia della perfezione evangelica, e la dedizione al servizio della Chiesa e dei fratelli bisognosi di assistenza e di carità. Cosi sia.

 

Jesús, divino Pastor de las almas, que llamaste a los Apóstoles para hacerlos pescadores de hombres, atrae a Ti también las almas ardientes y generosas de los jóvenes, para hacerlos tus seguidores y tus ministros; hazlos partícipes de tu sed de redención universal, para que se renueve sobre los altares tu Sacrificio. Tú, Señor, “siempre dispuesto a interceder por nosotros” (Hb 7, 25), descúbreles los horizontes del mundo entero, donde la muda súplica de tantos hermanos pide luz de verdad y el calor del amor; para que, respondiendo a tu llamada, prolonguen aquí en la tierra tu misión, edifiquen tu Cuerpo místico, la Iglesia, y sean “sal de la tierra y luz del mundo” (Mt 5, 13). Extiende también, Señor, tu amorosa llamada a muchas almas de mujeres puras y generosas, e infúndeles el ansia de la perfección evangélica, y la entrega al servicio de la Iglesia y de los hermanos necesitados de asistencia y de caridad. Así sea.

 

O que poderia ser traduzido assim para o Português:

Ó Jesus, divino Pastor das almas, que chamastes os Apóstolos para deles fazer pescadores de homens, atraí também a vós almas ardentes e generosas de jovens, para torná-los vossos seguidores e vossos ministros; fazei que participem de vossa sede de Redenção universal, para que se renove sobre os altares o vosso Sacrifício; Vós, Senhor, «sempre vivo para interceder por nós» (Hebreus 7, 25), desvendai para eles os horizontes do mundo inteiro, onde a muda súplica de tantos irmãos procura a luz da verdade e o calor do amor, para que, respondendo ao vosso chamado, prolonguem cá na terra a vossa missão, edifiquem o vosso Corpo Místico, que é a Igreja, e sejam «sal da terra» e «luz do mundo» (Mateus 5, 13). Estendei também o vosso chamado amoroso, Senhor, a muitas almas de mulheres puras e generosas e derramai nelas a ansiedade pela perfeição evangélica e a dedicação ao serviço da Igreja e dos irmãos necessitados de assistência e de caridade. Amém.

Cabe notar, a propósito, que quando foi instituída a Jornada Mundial de Oração pelas Vocações e  publicada a Radiomensagem acima referida, ainda não tinha sido promulgada a Constituição Conciliar Lumen gentium, cujo número 29 previu a restauração efetiva, na Igreja Latina, do diaconato como grau próprio na hierarquia, deixando de ser mero grau de passagem para o sacerdócio. A promulgação desse documento conciliar ocorreu em 21 de novembro de 1964 e a instauração efetiva do diaconato estável só anos mais tarde. A nova perspectiva ainda demorou para se fazer presente, quanto às vocações, na Liturgia: No Missal Romano de 1970 o título da Missa n° 9 dos «formulários» para várias necessidades ainda é Pelas Vocações Sacerdotais, embora os textos mencionem ministros e  não sacerdotes. Assim permaneceu na 2ª. edição, de 1975. Os tradutores brasileiros, entretanto, no corpo da Oração Collecta, traduziram a palavra latina ministros por sacerdotes, restringindo a estes o pedido relativo às vocações para as ordens sagradas, como agora, na 3ª. edição (2002) aparece no original latino. E, de modo geral, manifestações mais recentes, mas nem todas, referem-se a vocações para o ministério hierárquico, e não mais apenas para o sacerdócio.¨

NOTAS:

[1] Cf. MORENO, Cláudio, em https://gauchazh.clicrbs.com.br/colunistas/claudio-moreno/noticia/2017/12/machismo-gramatical-e-fantasia-de-quem-pensa-que-pode-mudar-a-realidade-por-meio-da-linguagem-cjb5ltauo006101lshsqdqiqs.html

[2] https://w2.vatican.va/content/paul-vi/es/messages/vocations/documents/hf_p-vi_mes_19640411_i-word-day-for-vocations.html